fbpx
Telefone: (11) 3536-2478 - (11) 99409-7274 contato@auraclara.com.br

Qual a diferença entre intolerância x alergia alimentar e porquê você pode ter uma delas e nem perceber.

 

O mundo parece mais alérgico, não é mesmo?
Há poucos anos, não era possível encontrar tantos produtos com opções “sem lactose”, “sem glúten”, “sem ovo”, “sem aditivos”, entre muitos outros. A conversa sobre nossa alimentação tomou o debate público por um motivo não tão feliz: estamos, de fato, mais alérgicos e intolerantes a certos alimentos.

Nos últimos 30 anos, as alergias alimentares aumentaram sua incidência no mundo industrializado. Os dados, reunidos na reportagem da BBC Brasil, são alarmantes: entre 1995-2016, as alergias a amendoim cresceram 5 vezes no Reino Unido. Já a Austrália tem a maior taxa confirmada de alérgicos: 9% das crianças de até 1 ano têm alergia a ovo.

E porque será que essas alergias aumentam? Há várias hipóteses, todas relacionadas ao estilo de vida ocidental. Em um artigo de Cristina Galindo para o El País, são elencadas algumas delas: uma dieta rica em processados, gorduras saturadas de origem animal e pobre em legumes e verduras, poluição ambiental e a exposição ou não a bactérias e micróbios na infância. O interesse por esse assunto é relativamente recente e aos poucos as teorias vêm sendo formadas.

O título de nosso blog é uma provocação, já que parece óbvio que alguém com uma incompatibilidade alimentar saberia reconhecer isso facilmente em seu dia-a-dia. Mas isso não é verdade!

O senso comum equivale as incompatibilidades alimentares à intolerância alimentar e seus desconfortos gástricos imediatos. Ou seja, comer alguma coisa, e passar mal imediatamente, do estômago ou do intestino. Mas você pode ter uma alergia alimentar, ao invés de uma intolerância, e ter outros sintomas que nem imagina. Essa é a importância de se atentar ao assunto!

 

Para começar, vamos diferenciar alergia alimentar de intolerância alimentar?

 

• Alergia alimentar: é uma reação do sistema imunológico em relação a determinado nutriente. O que acontece é que seu sistema imune considera certo nutriente, por exemplo, o leite, um elemento estranho. Isso causa uma reação sistêmica e imediata, como inchaço, coceiras, falta de ar, diarréias, sangramento intestinal.

É por essa razão, por exemplo, que uma pessoa com alergia ao leite de vaca – mais especificamente, à proteína do leite – não consegue tomar um copo de leite sem lactose porque a proteína continua lá, causando a inflamação no corpo dela.

 

• Intolerância alimentar: já a intolerância alimentar pode se configurar de duas maneiras. A mais fácil de diagnosticar é quando nosso corpo não produz uma enzima que digere determinado nutriente. É o caso da intolerância à lactose: a pessoa não produz a enzima (lactase) que digere o açúcar do leite (lactose). Os sintomas geralmente são dores de estômago, diarréias, inchaço e gases.

Porém, existe uma forma de intolerância que muitas vezes não se manifesta por sintomas gástricos. Ela se chama intolerância tardia, que não é enzimática e que pode gerar sintomas até 3 dias depois da ingestão.

Uma pessoa com intolerância tardia ao leite pode ser alguém que não vai ter uma diarréia após consumir queijo, mas manifestará uma dor de cabeça ou enxaqueca alguns dias após o consumo.

Alguns sintomas de intolerância tardia passam despercebidos, como problemas de pele, dores de cabeça, enxaquecas, bronquites, rinites entre outros.

Podemos ter alguns sintomas crônicos que nem cogitamos que possam derivar de nossa alimentação, já que geralmente achamos que os sinais de incompatibilidade alimentar são todos no sistema digestivo.

 

Por isso te convidamos a se perceber: você nota que sente coceiras no nariz ou em outras partes, tem espirros ou dores de cabeça, após consumir determinado alimento? Esse é um exercício de apuração de seus sentidos que pode te levar a entender se determinada comida te faz bem ou não.
Se identificou com o artigo? Compartilhe com seus amigos! Conte para gente nas nossas redes sua história com alergias e intolerâncias alimentares, vamos adorar te ouvir!

 

Referências:

Alergias alimentares: por que a condição está ficando cada vez mais comum no mundo. Disponível em:
https://www.bbc.com/portuguese/geral-46424736#:~:text=Sabemos%20que%20h%C3%A1%20taxas%20mais,como%20nossos%20sistemas%20imunol%C3%B3gicos%20reagem.

 

O misterioso avanço das alergias a alimentos. Disponível em:
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/01/eps/1538407380_850211.html